Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


2014 - Ano Internacional da Agricultura Familiar

por Mäyjo, em 31.01.14

 

Em contramão da ganância e ambição de lucro que tem pautado a expansão dos alimentos transgénicos, da agricultura química e das monoculturas extensivas, o Relatório de 2013 da ONU (UNEP) “Pequenos Agricultores, Segurança Alimentar e Meio Ambiente”, conclui que "Investimento em pequenos agricultores é a melhor maneira de superar a pobreza".
Para promover a agricultura familiar, a ONU declarou 2014 como o Ano Internacional da Agricultura Familiar, com os seguintes objetivos:

"1. Apoiar a formulação de políticas que promovam a agricultura familiar sustentável, incentivando os governos a estabelecerem o ambiente propício (políticas favoráveis, legislação adequada, planeamento participativo para um diálogo sobre políticas, investimentos) para o desenvolvimento sustentável da agricultura familiar.
2. Aumentar o conhecimento, a comunicação e consciencialização pública;
3. Obter um melhor entendimento das necessidades, potencial e restrições da agricultura familiar, e assegurar apoio técnico.
4. Criar sinergias para a sustentabilidade." (fonte e mais informação aqui)
«ANO INTERNACIONAL DA AGRICULTURA FAMILIAR

Imagem de FAO (obtida aqui)
O Ano Internacional da Agricultura Familiar (AIAF) 2014 visa a aumentar a visibilidade da agricultura familiar e dos pequenos agricultores, focalizando a atenção mundial em seu importante papel na erradicação da fome e pobreza, provisão de segurança alimentar e nutricional, melhora dos meios de subsistência, gestão dos recursos naturais, proteção do meio ambiente e para o desenvolvimento sustentável, particularmente nas áreas rurais.


O objetivo do AIAF 2014 é reposicionar a agricultura familiar no centro das políticas agrícolas, ambientais e sociais nas agendas nacionais, identificando lacunas e oportunidades para promover uma mudança rumo a um desenvolvimento mais equitativo e equilibrado. O AIAF 2014 vai promover uma ampla discussão e cooperação no âmbito nacional, regional e global para aumentar a conscientização e entendimento dos desafios que os pequenos agricultores enfrentam e ajudar a identificar maneiras eficientes de apoiar os agricultores familiares.

O QUE É AGRICULTURA FAMILIAR?

A agricultura familiar inclui todas as atividades agrícolas de base familiar e está ligada a diversas áreas do desenvolvimento rural. A agricultura familiar consiste em um meio de organização das produções agrícola, florestal, pesqueira, pastoril e aquícola que são gerenciadas e operadas por uma família e predominantemente dependente de mão-de-obra familiar, tanto de mulheres quanto de homens.

Imagem obtida aqui
Tanto em países desenvolvidos quanto em países em desenvolvimento, a agricultura familiar é a forma predominante de agricultura no setor de produção de alimentos.

Em nível nacional, existe uma série de fatores que são fundamentais para o bom desenvolvimento da agricultura familiar, tais como: condições agroecológicas e as características territoriais; ambiente político; acesso aos mercados; o acesso à terra e aos recursos naturais; acesso à tecnologia e serviços de extensão; o acesso ao financiamento; condições demográficas, econômicas e socioculturais; disponibilidade de educação especializada; entre outros.

A agricultura familiar tem um importante papel socioeconômico, ambiental e cultural.

POR QUE A AGRICULTURA FAMILIAR É IMPORTANTE?

A agricultura familiar e de pequena escala estão intimamente vinculados à segurança alimentar mundial.

A agricultura familiar preserva os alimentos tradicionais, além de contribuir para uma alimentação balanceada, para a proteção da agrobiodiversidade e para o uso sustentável dos recursos naturais.
A agricultura familiar representa uma oportunidade para impulsionar as economias locais, especialmente quando combinada com políticas específicas destinadas a promover a proteção social e o bem-estar das comunidades.»

Fonte: FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura)/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:45

O projecto português que está a criar pastagens “extraordinariamente produtivas”

por Mäyjo, em 31.01.14

O projecto português que está a criar pastagens “extraordinariamente produtivas” (com VÍDEO)

 

Terraprima é um dos projectos mais incríveis – e simples –, desenvolvido de raiz em Portugal para combater as alterações climáticas. O projecto, que começou no Instituto Superior Técnico (IST), promove o aumento da matéria orgânica no solo, propiciando um aumento da retenção de água e a fertilidade do solo e, paralelamente, diminuindo a sua susceptibilidade à erosão, mitigando os efeitos da seca e más práticas agrícolas.

Estas pastagens semeadas biodiversas são já usadas por cerca de mil agricultores portugueses, sobretudo no centro e sul do País, que em vez de semearem apenas uma espécie – ou deixarem o gado em pasto espontâneo – semeiam uma mistura com uma grande variedade de plantas.

“São pastagens extraordinariamente produtivas – chegam a semear-se 20 tipos diferentes de plantas. Como os trevos, que têm capacidade de ir ao ar buscar azoto e transformá-lo num fertilizante que põem no solo”, explicou ao Economia Verde Tiago Domingos, professor do IST e responsável pela Terraprima.

Por outro lado, este prado é usado para sequestrar dióxido de carbono, um dos principais responsáveis pelo efeito de estufa e alterações climáticas. “Através da fotossíntese, as plantas tiram dióxido de carbono da atmosfera e vão transformá-lo na biomassa do solo”, continua Vítor Domingos.

Os agricultores que aceitarem a proposta da Terraprima recebem um pagamento através do Fundo Português de Carbono (FPC), por estarem a ajudar o País a emitir menos dióxido de carbono para a atmosfera.

Saiba tudo sobre as pastagens semeadas biodiversas no episódio 146 do Economia Verde.

 

Foto: Jsome1, sob licença Creative Commons


 

in: Green Savers


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:19

Peluches da IKEA para campanha de Educação levanta € 10.100.000 para programas de educação para a UNICEF e a Save the Children

por Mäyjo, em 31.01.14

A UNICEF agradece aos clientes da IKEA e colegas de trabalho por suportar 11 milhões de crianças desde 2003

 

NOVA YORK, 30 de janeiro de 2014 - A campanha anual de Peluches IKEA para a Educação decorreu entre Novembro e Dezembro de 2013, nas as lojas IKEA em todo o mundo. Por cada brinquedo macio ou livro infantil comprado, 1 € será doado à UNICEF e Save the Children pela Fundação IKEA.

Desde o início da campanha anual, em 2003, a Fundação IKEA doou € 67 milhões, o que ajudou a melhorar as oportunidades educacionais de mais de 11 milhões de crianças em 46 países. As doações ajudam a UNICEF e a Save the Children a formar professores em métodos de ensino amigos da criança, a melhorar os sistemas de proteção à criança, fornecimento de materiais educativos, e aumentar as taxas de frequência escolar.

Graças à doação deste ano, a Fundação IKEA vai apoiar 19 projetos de UNICEF e da Save the Children,  em 18 países. A participação da UNICEF vai financiar as Escolas em África, iniciativa a desenvolver em oito países e as Escolas de iniciativa da Ásia, na China. 

Share Save the Children irá apoiar a educação para as crianças dos grupos mais marginalizados na Ásia e na Europa Oriental.

 

"A educação é a chave para desvendar um futuro melhor para todas as crianças, especialmente as mais vulneráveis ​​e excluídos. A UNICEF está grata pela sua forte parceria com a Fundação IKEA, assim como clientes e funcionários da IKEA, enquanto trabalhamos juntos para ajudar todas as crianças recebem a educação de qualidade que eles merecem ", disse Anthony Lake, Diretor Executivo do UNICEF.

"Este ano marca o 20º aniversário da nossa colaboração estratégica de longo prazo com a Fundação IKEA. É também o oitavo ano consecutivo que a Save the Children faz parte dos Peluches IKEA para campanha de Educação. Através do compromisso da Fundação IKEA em ajudar crianças vulneráveis a ter ​​acesso a uma educação de qualidade, as crianças de grupos minoritários e as crianças com deficiência, bem como suas famílias e comunidades, usufruem de todo o benefício do produto da campanha, para um futuro melhor e mais brilhante ", disse Elisabeth Dahlin, Secretário Geral da Save the Children - Suécia e Presidente Global da Agência para a Save the Children e colaboração da Fundação IKEA.

 

 

Nota aos editores:


Graças à doação de 2013, a Fundação IKEA vai apoiar 19 projetos da UNICEF e Save the Children, em 18 países. A participação da UNICEF vai ajudar a financiar os projetos da iniciativa "Escolas para África" em oito países (Angola, Etiópia, Madagáscar, Malawi, Moçambique, Ruanda, Serra Leoa e África do Sul) e um projeto como parte das Escolas para a iniciativa da Ásia, na China. Save the Children vai apoiar a educação para as crianças dos grupos mais marginalizados (as minorias e as crianças com deficiência) na Ásia (Bangladesh, Camboja, China, Indonésia, Mianmar, Filipinas e Vietname) e Europa (Lituânia, Roménia e Kosovo).

As doações vão ajudar a UNICEF e a Save the Children a formar professores em métodos de ensino amigos da criança, melhorar os sistemas de proteção à criança, fornecer materiais educativos nas escolas, ajudar a reconstruir escolas, proporcionar melhores instalações de água e sanitários, e aumentar as taxas de frequência escolar.

 

Moçambique:
Em Moçambique, graças à contribuição da Fundação IKEA de Peluches para fundos de campanha Educação, 55.000 crianças em 88 escolas foram atingidas com os cinco componentes da abordagem Escolas Amigas da Criança: educação, proteção, água, saneamento e higiene (WASH) , saúde e mobilização social. Crianças nessas escolas também receberam educação física e foram treinados em habilidades importantes da vida (consciência do HIV, a conscientização sobre as questões de género e prevenção da violência e do abuso sexual).

 

África do Sul:
Na África do Sul, com o apoio da Fundação IKEA, a UNICEF apoiou a implementação do programa-Amigo da Criança Segura e Cuidados Escolas (SCCFS) para 198 escolas não alcançados por programas de desenvolvimento fora do governo. Isso beneficiou 151 mil meninas e meninos e 3.400 educadores. Além disso, o apoio da IKEA Foundation já ajudou mais de 2.500 escolas inscritas numa escola liga esportiva para facilitar um programa participativo de todos os meninos e meninas, incluindo crianças com deficiência.

 

Etiópia:
Na Etiópia, o financiamento dos brinquedos de pelúcia para a campanha de Educação tem ajudado a aumentar a taxa de matrícula de crianças em grau 1 do ensino primário, que já atingiu 92%. A taxa bruta de matrícula para as escolas pré-primárias alcançado um aumento significativo de 15,9 pontos percentuais. Mais de um ano, passou de uma em cada 20 crianças para um em cada 5 crianças sendo matriculadas no ensino pré-primário. Uma tendência muito encorajador!

 

Roménia: 
Com o apoio da Fundação IKEA, Save the Children é executado um projeto na Roménia, que tem como objetivo reduzir a discriminação contra os dois grupos de crianças mais vulneráveis: crianças e crianças com problemas de saúde mental, Roma. Várias partes interessadas são direcionados, e os serviços de educação e saúde serão desenvolvidos para o benefício de crianças vulneráveis ​​e suas famílias. Alguns 18.000 crianças em idade escolar serão educadas na eliminação da discriminação e do estigma.

 

Indonésia:
Na Indonésia, muitas crianças com deficiência achar que seus direitos básicos são desconsiderados.Graças ao apoio da Fundação IKEA, Save the Children irá mobilizar as comunidades, as partes interessadas do governo, e outros para ajudar essas crianças a alcançar o seu direito de desfrutar de uma vida plena e decente. Save the Children vai conseguir isso através do aumento da capacidade das famílias de cuidar de seus filhos com deficiência e melhorar seu acesso à educação de alta qualidade.

 

Bangladesh:
Em Bangladesh há cerca de 7 milhões de crianças com deficiência que são extremamente vulneráveis ​​à violência e exploração. Graças ao apoio da Fundação IKEA, Save the Children é capaz de dar 4.400 meninos e meninas com deficiência em três distritos de Bangladesh melhorou bem-estar físico e mental através de uma melhor proteção. O projeto trabalha com seus cuidadores, comunidades, autoridades escolares e crianças com deficiência em si.

 

in: http://www.unicef.org/media/media_71845.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:10

COP15 Cimeira sobre as Alterações Climáticas

por Mäyjo, em 31.01.14
Uma animação de 2,5 minutos criada e apresentada na Conferência sobre Mudança Climática das Nações Unidas 2009, em Copenhagua, na Dinamarca.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:09

Como funciona o sistema climático?

por Mäyjo, em 31.01.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:07

Investigadores portugueses lançam crowdfunding para aquisição de drone que estuda alterações climáticas

por Mäyjo, em 31.01.14

Investigadores portugueses lançam crowdfunding para aquisição de drone que estuda alterações climáticas

 

Os investigadores do Projecto 3D.ANTARCTIDA lançaram uma campanha de crowdfundingpara a aquisição de um veículo aéreo não-tripulado (UAV), mais conhecido por drone, para apoiar a monitorização de terrenos com permafrost na Antárctida.

Esta equipa de investigadores estuda as alterações climáticas na Península Antárctida ao nível do solo permanente gelado, o permafrost. “Neste tema, as mudanças são mais difíceis de seguir, pois o solo gelado está enterrado”, refere a equipa na página da angariação.

“Nas áreas em que estamos a trabalhar, na região da Península Antárctica, as mudanças têm sido muito rápidas e a utilização deste tipo de meios para cartografar em detalhe a vegetação, as unidades geomorfológicas, a neve e o escoamento, proporciona avanços notáveis. A nossa equipa tem, por isso, enorme urgência em aceder a uma plataforma de estudo – um UAV – que nos permita obter este tipo de dados cartográficos”, explicam os investigadores.

Desde que a campanha foi lançada, a 23 de Dezembro de 2013, o projecto já angariou €12 mil, sendo que o objectivo é angariar €20 mil até ao final de Janeiro.

Está previsto que o projecto seja implementado em duas campanhas na Antárctida. A primeira deverá decorrer entre Fevereiro e Março deste ano, onde os investigadores deverão realizar testes preliminares no terreno da Península Barton, na ilha King George. A segunda decorre entre Janeiro e Fevereiro de 2015, com o levantamento em pormenor das ilhas de Livingston Deception e King George.

O Projecto 3D.ANTARCTIDA é promovido pelo Grupo Polar da Universidade de Lisboa e reúne três equipas de investigação do Instituto Superior Técnico (IST) e do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território (IGOT). Os investigadores acrescentam que a aquisição do drone teria ainda “aplicações directas no ensino avançado do IGOT e do IST”, além de “resultar num passo enorme para a equipa” e contribuir “fortemente para aumentar o impacto internacional” conhecimento científico produzido em Portugal.

 

Foto:   .v1ctor Casale / Creative Commons

 

in: Green Savers

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:12

Levitar no maior deserto de sal do mundo

por Mäyjo, em 30.01.14

Levitar no maior deserto de sal do mundo (com FOTOS)

 

O Salar de Uyuni, no altiplano andino, sudoeste da Bolívia, é o maior deserto de sal do mundo, uma paisagem deslumbrante e com características invulgares, que levam os fotografados a “levitar” na atmosfera.

Foi esta curiosidade fantasmagórica que levou o fotógrafo Michael Kittell a desenvolver uma série de imagens no deserto, um dos lugares mais belos e perfeitos do mundo.

Com 10.500 quilómetros quadrados de área, Uyuni é maior que o lago Titicacca, situado na fronteira entre a Bolívia e o Peru, e terá cerca de dez mil milhões de toneladas de sal. Ainda que este seja um importante destino turístico boliviano, a extracção de sal é constante. Todos os anos, cerca de 25 mil toneladas são retiradas do salar.

“Apesar de parecer uma praia, Uyuni não passa de sal coberto por alguns centímetros de água. Estando lá, não conseguimos ver o fim do deserto de sar”, explicou o norte-americano Kittell, de 29 anos.

Quando o vento está calmo e o salar cheio de água, a paisagem é “inacreditável”. Na verdade, quem é fotografado aqui parece que está a levitar, tal a calma do local, que devido à sua altitude e difíceis acessos, permanece inalterado há milhares de anos.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:13

Tribo indiana impede projecto de prospecção mineira de empresa britânica

por Mäyjo, em 30.01.14

Tribo indiana impede projecto de prospecção mineira de empresa britânica

 

O Governo indiano impediu recentemente os planos de uma empresa britânica para explorar um minério de bauxite na região de Orissa. A decisão foi tomada depois de o Supremo Tribunal da Índia ter exigido que os Dongria Kondh, uma tribo local, fossem consultados, naquele que foi o primeiro referendo ambiental do país.

As 12 aldeias desta tribo rejeitaram em unanimidade os planos da Vedanta Resources para iniciar um minério nas montanhas de Niyamgiri, um local que é considerado sagrado para esta tribo. A decisão final cabia ao Ministério do Ambiente e Florestas da Índia, que este sábado comunicou que ira rejeitar os planos da empresa britânica para explorar bauxite naquela região.

A Vedanta Resources pretendia ainda, a par do minério, construir uma refinaria na base das montanhas de Niyamgiri, um projecto que estava orçamentado em €585,4 milhões (R$ 1.881,8 mil milhões), refere em comunicado a Survival International, uma organização não-governamental que se dedica ao apoio aos povos indígenas.

“A derrota terá repercussões globais para as empresas que têm a intenção de explorar as terras dos povos indígenas e deve servir de lição que o consentimento prévio das comunidades tribais deve ser procurado”, lê-se no comunicado.

Esta ONG conduziu uma vasta campanha de apoio aos Dongria Kondh contra a Vedanta Resources e fez com que celebridades, como os actores Michael Palin e Joanna Lumley, se juntassem à causa. “Esta é uma verdadeira tribo Avatar”, indicou a Survival International ao comprar a luta desta tribo indiana a um blockbuster de Hollywood.

 

in: Green Savers

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:14

Aljezur, um dos concelhos mais sustentáveis de Portugal

por Mäyjo, em 29.01.14

Aljezur, um dos concelhos mais sustentáveis de Portugal (com VÍDEO)

 

Conhecido pelas suas praias paradisíacas e por ser local de férias de personagens mediáticas, como o primeiro-ministro inglês, Aljezur é mais do que mar e sol. É também sustentabilidade, como demonstra a recente vitória no prémio EcoXXI, que reconhece as boas práticas ambientais.

Segundo esta distinção, atribuída pela associação Bandeira Azul Europa, o concelho passou no teste em mais de 50% dos 21 indicadores, incluindo qualidade do ar, água, tratamento de resíduos, aposta na energia e conservação da natureza.

“Os principais indicadores em que nos destacámos foram a educação ambiental, energia, eficiência energética, iluminação pública e o incentivo a fontes de energia mais sustentáveis”, explicou Filipa Fonseca, técnica de ambiente da Câmara de Aljezur.

Na verdade, 75% da área do concelho está inserida no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, uma zona protegida que muito contribuiu para a atribuição do prémio.

Com pouco mais de 5.800 habitantes, distribuídos por quatro freguesias, o grande desafio do concelho é manter as boas práticas ambientais na época alta, em que o turismo dita as leis.

“O prémio dá-nos um indicador muito importante: Aljezur acredita no futuro, e os aljezurenses sabem que o nosso futuro só pode ser melhor”, conclui José Amarelinho, presidente da Câmara de Aljezur.

O responsável admitiu o objectivo de Aljezur, no que toca ao desenvolvimento sustentável, é ter baixas densidades e muita qualidade. “É isso que queremos para o nosso município”, concluiu Amarelinho, no episódio 144 do Economia Verde.

 

Foto: RStacker, sob licença Creative Commons


 

in: Green Savers

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:08

Placa solar com o formato de uma telha de barro

por Mäyjo, em 29.01.14

 

Empresa americana desenvolve placa solar com o formato de uma telha de barro

Converter a luz do sol em eletricidade não significa necessariamente fazer uma cobertura no telhado com painéis solares sem graça. A empresa SRS Energy, da Filadélfia, desenvolveu uma placa, a Solé, que faz esse trabalho sem comprometer a estética: tem o formato de uma telha de barro, na cor azul escuro. 

O produto foi especificamente produzido para ser compatível com as telhas de cerâmica fabricadas pela empresa parceira E.U.Tile - assim, será dada aos seus clientes a opção de cobrir uma seção de seu telhado com a nova versão, mais fashion, das placas fotovoltaicas.
http://glo.bo/1cBhiXd


[AS TELHAS NÃO ESTÃO MAIS DISPONÍVEIS COMERCIALMENTE]
Segue a nota da empresa: http://www.bresslergroup.com/work/project/#/143/srs-energy-solar-roofing-system

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:12

Pág. 1/9



Este blog disponibiliza informação com utilidade para quem se interessa por Geografia. Pode também ajudar alunos que por vezes andam por aí desesperados em vésperas de teste, e não só, sem saber o que fazer...

Mais sobre mim

foto do autor


Siga-nos no Facebook

Geografando no Facebook

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2014

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D